Download research papers of ServDes, the Service Design and Innovation conference

ServDes, the Service Design and Innovation conference, is the premier research conference for exchanging knowledge within Service Design and service innovation studies. Born as a yearly Nordic conference, ServDes has now become a bi-annual international event with the aim of bringing researchers and practitioners together to discuss, share and evolve the emerging discipline of Service Design, and design-related service innovation.

“Service Design is now a recognised field of design research and practice, with a growing international network of practitioners and academics. However, publications in this field have mainly focused on establishing the discipline and their volume is still limited and dispersed. There is a growing need for original research on Service Design and for dedicated places for its dissemination. The ServDes conference is an answer to this call. Even if the conference is research focused, the format and the selection of publications are relevant for academics, practitioners and industry. ServDes is organised around themes that are defined by the conference committee and organisers. The papers are peer-reviewed in a double-blind review process and published in the conference proceedings.”

See the papers of  2014 Conference Lancaster, UK – THEME: SERVICE FUTURES and previous years.

 

Etiquetado , , , , , , , ,

LeanUX14 Presentations and Speakers

Thursday

Conference Opening – Will Evans
Keynote: We Are What We Repeatedly Do: Idealized Design & Beginner’s Mind –Jabe Bloom on Slideshare
Tilting at Windmills: Innovation in Large Organizations – Alistair Croll
6 Ways Results-Driven Learning Can Transform Work Culture – Carmen Scheidel
LeanUX Wins: Design Thinking in Large Enterprises – Ariadna Font Llitjos
Keynote: Lean Change: It’s Organizational and Personal – John Shook Lean Global Network
Lean UX: Agility Through Cross-Functional Collaboration – Jeff Gothelf
Philosophy of Lean: A Phenomenological Understanding of Product Innovation –Thomas Wendt
Optimizing Organizational Frameworks for Applied Design – Lynn Teo
Keynote: Roadmap to the Lean Enterprise – Trevor Owens
Is Bad Research Better Than No Research: Doing LeanUX Right – Dr. Deidre Kolarick
The Lean Agency – Mona Patel
Eating Our Own Dog-food: A Story of Customer-Led Product Innovation – Jodie Moule on Slideshare
The Values Gap – Jen Guarino, Shinola
Safe-Fail, NOT Fail-Safe – Alicia Juarrero
Branding Moments – Bill Beard on Slideshare
So You Want To Get Lean: Integrating Lean Startup – Melissa Perri
The Balanced Team Movement – Lane Halley
Keynote: It’s the Process, Jim, But Not As We Know It – Dave Snowden

Friday

Workshop Descriptions .pdf

Morning Workshops

Effective Customer Interviewing – Adrian Howard
Show Me What You’re Thinking – Ray DeLaPena on Slideshare
Facilitating Meetings That Don’t Suck – Virginia Cagwin | Slideshare & Jacklyn Burgan | Slideshare
How To Do Lean Research Right – Dr. Deidre Kolarick
Being a Successful User-Centred Product Manager – Andrew Mayfield
Validate Before Code – Steven Cohn
Managing to Learn Using A3 – Joshua Howell & John Shook
Communicating the Business Value and Getting Buy-in for UX Research –Christine Perfetti & Ezra Gildesgame

Afternoon Workshops

Deeper Understanding: Stories, Observations, Insights – Dan Szuc
Recruit Participants for Customer Research – Tomer Sharon | Speakerdeck
Design Research Methods – Thomas Wendt
Lean Analytics: Use Data to Build a Better Business Faster – Alistair Croll
Lean Fundamentals: Value Stream Mapping for N00bs – Adam Yuret Jabe Bloom
Lean Branding: Developing Powerful Brands in Lean Environments – Bill Beard
Applying Service Design to Your Agencies’ Delivery – Markus Andrezak / Christian Becker
Designing to Learn: Creating Effective MVP Experiments – Melissa Perri

Friday General Sessions

Design Resonance: Making Sense of Cynefin and User Experience – Michael Cheveldave
UX + BA Working Together in Harmony – Jacklyn Burgan with Aaron Majcher
Towards a Theory and Method of Test Driven Design – Jonathan Berger | blog
WWE Ethnography: Let’s Get Ready to Rumble – Tomer Sharon | Speakerdeck
From Dinner to Dining: The Evolving Role of the Designer – Zaana Howard
Creation & Production Combined: The Power of Connected Worlds – Markus Andrezak

Saturday April 12th

Morning Workshops

Applying the Cynefin Framework for Improving Speed, Agility, and Innovation –Michael Cheveldave
Inclusive Design & Lean UX – Kel SmithElle Waters & Sophie Hwang
Designing an MVP that Works for Your Users – Ariadna Font Llitjos
Story-mapping the User Experience – Donna Lichaw
Design Thinking for Designing and Delivering Services – Zaana Howard
How to Draw Quick, Useful UI Sketches – Lane Halley
Mapping the Customer Journey – Jodie Moule & Stephen Moule
Overcoming Analysis Paralysis – A Case Study in Ethnographic Methods – Lynn Teo

Afternoon Workshops

Decision-Focussing – How to clarify Decisions and Get Information required for Decision-Making – Kim Ballestrin handout1 | handout2
Capturing Product Vision with the Idea Stack – Eli Bozeman
Making Sense of Messy Problems: Systems Thinking for Complex Business Models– Johanna Kollmann
Mapping Your Minimum Viable Experience – Courtney Hemphill
Introduction to Design Studio Methodology – Oonie Chase & Will Evans
Visual Problem Solving & Facilitation – Dean Meyers
Enhancing Proto-Personas With Characterizations – Chelsey Delaney & Taren Sterry

Closing Sessions

Restarting the Enterprise (Why Innovation Teams Suck) – Adrian Howard
Conditions for Success: People, Skills, Spaces for Healthier Design – Dan Szuc
Management, Alignment, and Collaboration Done Differently – Arne Rook &Fridtjof Detzner
Designing For Services and Long-Term Innovation – Shelley Evenson, Fjord

Etiquetado , , , , , , , , ,

Cobertura do “Social Media Day SP” em tweets :)

Flávio Pripas arrasou ao usar a timeline do Facebook na apresentação (link) do projeto Fashion.me no “Social Media Day” que rolou neste sábado (30/06). Eu, por minha vez, apresentarei outra* “cobertura de evento” com um ctrl+c/ctrl+v da minha timeline do twitter \o/

Não adianta eu querer me enganar: por enquanto não terei tempo de escrever uma nota elaborada e bonitinha sobre tudo o que aconteceu… MAS, para quem perdeu (e até mesmo para quem foi) seguem alguns highlights, acompanhem do fim para o começo (a ordem cronológica dos tweets estão de trás pra frente) 😉

Crowdsorcing como estrategia de negócios: os “loucos” que se deram bem! – Marina Miranda

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Foi ótimo msm. Valeu! RT @SMDaySP: Estamos MUITO felizes com o que aconteceu. Até nós estamos surpresos de tão maravilhoso que foi. Abraço.

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Hoje você precisa se reinventar a cada 5 anos pelo menos#smdaySP #smday @fabianocoura http://pic.twitter.com/sjIj5vgg

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Um bom trabalho nas MS é como agricultura: prepare o terreno, crie o ambiente certo e conquiste bons usuarios-mídia sementinhas 🙂#smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

EVITE O HYPE! Pense a longo prazo, execute a curto prazo –@fabianocoura #smday Mas reveja sempre o seu planejamento, claro.

Natalí Garcia ‏@natigarcia

O Fabiano Coura SIM é bom profissional d Marketing: falou o q os colegas qrem ouvir (O Trabalho) e o q os chefes qrem ouvir (O Lucro) #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

EVITE O HYPE! Pense a longo prazo, execute a curto prazo –@fabianocoura #smday Mas reveja sempre o seu planejamento, claro.

Natalí Garcia ‏@natigarcia

O Fabiano Coura SIM é bom profissional d Marketing: falou o q os colegas qrem ouvir (O Trabalho) e o q os chefes qrem ouvir (O Lucro) #smday

SOCIAL MEDIA DAY SP ‏@SMDaySP

O @FAbianoCoura está falando do TIM BETA. Super projeto do escritório brasileiro da R/GA #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

VDD: Depois de eventos como imprensa vc nao consegue acompanhar sem tomar notas e tweetar O_o Tô floodando a timeline aí?rsrs #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

“Os caras fazem um DEMO de produto e você choora!”@fabianocoura – Show! Isso é reconhecimento, de fato #SMday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@SamuelCezario @alyssonvillalba achô o pinguim…rsrs Parabens pelo klout = do @catracalivre nao eh facil nao rs

Neha Prakash ‏@nehapk

It’s social media day! Celebrate 🙂 @mashable #smdayhttp://pic.twitter.com/HFeVPGin

Retweetado por Natalí Garcia

Marcel Agarie ‏@Agarie

Uma gigante como a Kodak quebrar é a prova de como o mundo muda RT @fabi_gold O Flickr deveria ter sido criado pelo Kodak#SMday #certeza

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@fabi_gold: ‘Eu sou o que eu compartilho’, by @FabianoCoura em#SMday ” É o novo “Diga-me com quem anda que te direi quem és”? 🙂

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Bem legais os cases citados pelo Fabiano Coura #smdaySP Adorei a campanha “You can never be too generous”, do chocolate Anthon Berg :9

Paula Fortes ‏@paulafortes

A grande idéia é desenhar um conteúdo que seja irresistivelmente compartilhável #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Entregar valor para as pessoas (meaningful media): conectar emocionalmente marcas e indivíduos #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

RT @FlaviaVianna: Projetos de marcas tem que ajudar a construir relacionamentos para se tornarem realmente relevantes@FabianoCoura #smdaySP

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@carolterra aaah 😦 Mas adorei a palestra! 😀 Beijão!

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Social Business na veia – @fabianocoura no #smday Crowd, Marketing, Relevância… It’s all about conversations 😀http://pic.twitter.com/kFHDf6UW

Natalí Garcia ‏@natigarcia

God blesses Tim Berners-Lee @fabianocoura – Eu acrescentaria o Ted Nelson tb – pai do link 😀 #SMday #smdaySP

Rafael Silva ‏@rafacst

Acho que essa vai ser a quote marcante do #smdayhttps://twitter.com/#!/search/realtime/mercado%20m%C3%A9tricas%20erradas

Retweetado por Natalí Garcia

Ellen Aguiar ‏@ellenaguiar

A quantidade de likes não interessa, se você não sabe o que ele é e o que fazer com ele @FabianoCoura #smday #smdaysp

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

O mercado está obcecado pelas métricas erradas: existe uma gama enorme de motivações por trás de um “like”, por exemplo – Fabiano C. #smday

Midiasblog ‏@midiasblog

Fabiano: Quando o social vira empreendimento. Nosso trabalho é ajudar clientes a serem mais lucrativos. #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

“Do Social Media para o Social Business” com Fabiano Coura no#SMday – Fabiano é planner da R/GA, uma das ganhadoras do Cannes

Aline Moura ‏@SupernovaLi

Fiz questão de apludir a Tatiana Ivanovici de pé! Sem educação e inclusão, o Brasil continuará a ser o país do futuro. #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@carolterra vc ainda está aqui no #smday ?

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@tati_ivanovici apresentando maravilhosos projetos da periferia: mta criatividade para aproveitar ao máximo as oportunidades das MS#SMday

Ellen Aguiar ‏@ellenaguiar

Se você quer falar com a periferia, você precisa respeitar as suas raízes, respeitar os seus valores @doladodeca_ #smday #smdaysp

Natalí Garcia ‏@natigarcia

RT @REDEMIS: O portal “do lado de cá” é o UOL da periferia.#smday #redemis P2P

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@cirilodias ufa, entao to no caminho certo 😉

PUC-SP ‏@puc_sp

RT @REDEMIS: Agora no #smday Tatiana Ivanovici a “Rede Do Lado De Cá” #redemis

Retweetado por Natalí Garcia

cirilodias ‏@cirilodias

“Engenheiros de Relevância”. Taí, vô mudá o status de emprego do Feice agora! #smday #smdaySP

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@GDimenstein falando da @SaudeDoFuturo by VitalBox 😀 #SMday#SMdaySP http://www.saudedofuturo.com

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Palestrantes do #SMday reforçando a importância da Relevância do Mkt/Conteúdo e do trabalho em conjunto, da Parceria 🙂

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Para ser inovador é preciso ser ignorante sob muitos aspectos. É preciso ser relevante e original – @GDimenstein no #SMday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Eu também AMO a cidade de São Paulo! Apesar de tudo… Alguma coisa acontece com meu ❤ #SMday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Uma cidade é boa quando tem gay, boêmio e judeu! @GDimensteinDiverCIDADE 😀 #smdaySP #SMday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@rafaelcebola @Lomadee estou aqui \o/ #smdaySp #smday

Catraca Livre ‏@catracalivre

Agora no #SMDay #sp: @GDimenstein fala como São Paulo pode ser uma rede social. http://pic.twitter.com/uAZyzZg0

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

A cidade foi a primeira rede social e é a mãe de todas as grandes invenções – @GDimenstein do @catracalivre no #smdaySP #smday

Gustavo Santiago ‏@gustavosanti

P de Propósito 🙂 RT @natigarcia Por maior/melhor que seja a tecnologia ela deve sempre servir aos interesses das pessoas#smdaySP #smday

cirilodias ‏@cirilodias

@natigarcia pesquisa, pesquisa e mais pesquisa

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@cirilodias tem que ter bala na agulha… qual a sua dica para quem quer experimentar um trabalho mais exótico e de impacto? #SMday

PUC-SP ‏@puc_sp

Pripa: a mudança de byMK para fashion.me teve campanhas contrárias! Mas 1 semana depois, vieram os elogios e novos usuários #redemis #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Kali Nardino ‏@KaliNardino

@ellenaguiar: Flavio Pripas, criado do fashion.me (antigo bymk) com palestra na prática http://on.fb.me/OPMXhN #smday#smdaysp” awesome

Daniele Rodrigues ‏@Dani_Rodrigues

Flavio Pripas e David Smith contando histórias reais/úteis, diferente dos palestrantes bushiteiros/showman de Social Media #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@fpripas : Empreendedorismo = delimitar seus limites, fazer boas parcerias e investir cada vez mais no que tá dando certo! #SMday#smdaySP

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Valor para o usuário == Marketing com conteúdo ! E parceria é algo extremamente valioso p as empresas! – @fpripas #SMday #smdaySP#in

Flavio Pripas ‏@fpripas

Check out the São Paulo Mashable community!http://meetu.ps/gDxq #smday

Midiasblog ‏@midiasblog

Legal! RT @FlaviaVianna Se o intuíto foi inovar ele conseguiu 😉 Bem legal a apresentação do Flavio Pripas na timeline do FB 😉 #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

HahahaRT @cirilodias: Atenção, é permitido apenas 1 apresentação usando timeline do Facebook no ano. Estamos de olho #smday#smdaySP

Twitteiros Culturais ‏@ETC_Sampa

Rolando interessante troca troca de @ ‘s Vc troca seu perfil com 4 pessoas ao seu lado :)) #SMDay

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@puc_sp olha! Minha querida instituição tb está aqui acompanhando o #SMday ? ;D E da UNESP? Tem ninguem nao? 🙂

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@josegimenez É, a @ireneknoth descreveu a necessidade d um modelo d mídia e negócio q é a cara da VB 😀 Só ver ohttp://saudedofuturo.com #SMday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Conteúdo relevante == Meaningul Media #smday #smdaysp Marcas entregando valor para as pessoas.

Natalí Garcia ‏@natigarcia

AE \o/ RT @josegimenez: Até agora já encontramos no @SMDaySP :@trampos @ZebraDLX @peixeurbano e @SaudedoFuturo #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Criativos e pessoas q estão no #smday #smdaySP e tb forem interessadas pelo tema SAÚDE (mencion. p/ Irene): conheçamhttp://www.facebook.com/SaudeDoFuturo ;D

Natalí Garcia ‏@natigarcia

1. A tecnologia deve servir ao interesse real dos cidadãos 2. A marca e as empresas têm que ser sociais (como já o são nossas mídias) #SMday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

RT @hashtagitaddict: Learning. Sharing. Creating. Developing#socialmediamarketing. International Social Media Day #smday#smdaymia #smdaySP

Lady B. ‏@beatrizgalvao

Case do #SmallBusinessSaturday e outras campanhas que vão para além meras ações publicitárias, gerando engajamento real #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

LOL / @anahell: Pq ela é ryca! RT @barbarabc A pessoa chega de Cannes toda nariz empinado, mas não entrega nenhuma novidade para nós. #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

RT @ellenaguiar: Mais um ganhador de Cannes http://bit.ly/N4ffBX. As marcas apostam em coisas simples e mensagens reais #smday#smdaysp

Natalí Garcia ‏@natigarcia

The Scientist, c Willie Nelson: deprimiu mas lançou uma ponta de esperança http://www.youtube.com/watch?v=aMfSGt6rHos&feature=youtube_gdata_player #smdaySP #smdayEu tb quero um mundo melhor!

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Filma eu, Galvão! ;D > > RT @SMDaySP: #SMDay trending topic em São Paulo!!! #TT

cirilodias ‏@cirilodias

Tanta coisa legal sendo feita com Facebook e os exemplos de case ainda são “Whopper Sacrifice” e “Marca foto da Ikea” :/ #smday#smdaySP

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Você só fala ou fala mas tb faz? Mídias Sociais estão aí para mostrar se o slogan da marca é verdadeiro ou não – Irene Knoth#smday #smdaySP

Flavia Vianna ‏@FlaviaVianna

Quando a marca observa o interesse de um grupo de pessoas e une elas por este interesse. #Facebranding #smdaySP

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Case da Nike q Irene comenta agora no #smdaySP tem MTA afinidade com o http://www.vitalbox.com.br Saúde & colaboração!http://www.facebook.com/saudedofuturo #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Por maior/melhor que seja a tecnologia ela deve sempre servir aos interesses das pessoas #smdaySP #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Irene Knoth sobre FaceBranding no #smdaySP “Você nunca controlou a comunicação da sua marca. Mas agora os consumidores têm o seu veículo”

Flavia Vianna ‏@FlaviaVianna

“Depois de levar tanto tarbalho pra casa eu levei minha casa pro trabalho” Ik no #smdaySP

Retweetado por Natalí Garcia

Programa Comunicando ‏@comunicando_pi

“Bom é quando da errado. Quando vc erra, aprende.” PK #smdayhttp://pic.twitter.com/A8Y5XsRT

Retweetado por Natalí Garcia

Midiasblog ‏@midiasblog

Viralização: não tenha medo de errar. Faça testes exaustivamente!

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

RT @barbarabc: Idéias. Simplicidade. Testes. Idéias. Simplicidade. Testes. Idéias. Simplicidade. Testes. Idéias. Simplicidade. Testes#smday

REDEMIS ‏@REDEMIS

Facilitar o acesso nos convites é essencial. Assim que acessado, já aparecer o nome e email da pessoa, falta só senha. #redemis#smday

Retweetado por Natalí Garcia

Twitteiros Culturais ‏@ETC_Sampa

RT @REDEMIS: Muitos exemplos de loops virais e ações viraishttp://www.thegodfounder.com Pedro Kranz #redemis #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@josegimenez Tits and Cats dominam a internet! LOL #smday#smdaysp

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Pedro Kranz do @peixeurbano tá aceleradíssimo, mas mandando mto bem! Aprofundou a discussão sobre engajamento nas MS. Show! #smdaysp #smday

Izabela Cardoso ‏@izabela_aic

As relações psicológicas fazem toda diferença na hora do planejamento de marketing. #smday #smdaysp

Retweetado por Natalí Garcia

Divas and The City ‏@DivasandTheCity

Mto bom! Arrasando! RT: “@SMDaySP: Pedro Kranz no palco dá início ao segundo bloco do #smday #sp

Retweetado por Natalí Garcia

Izabela Cardoso ‏@izabela_aic

Exclusividade em fase inicial é muito importante. Depois, aanhos reais e ganhos simbólicos para premiar seus usuários. #smday#smdaysp

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

“Crowdfounding é uma boa ideia para as pequenas empresas que estão começando” #smdaySP #smday

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@biagranja Mas o @BobWollheim tá de crocs? Só quero ver! 😉#smday #smdaySP

Bia Granja ‏@biagranja

uia! “@amanda_santoro: Parceiros da Lomadee de longa data,@inagaki, @BobWollheim e @biagranja, estão cotadíssimos no#SMday. Cool! 🙂

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

#crowdsourcing Pessoas co-criando a nova economia e cenário mundial! Parabéns @marinamiranda Adorei o pentagrama \m/ hehe#smday #smdaysp

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@FlaviaVianna @pontofrio O_O cadê? Cadê o pinguim??

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@alinerizzato heheh como a gente é besta, né?! Rsrs

Natalí Garcia ‏@natigarcia

hahah RT @cirilodias: Está um dia lindo lá fora e você não pode Instagramar! KD SEU DEUS AGORA?

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@cirilodias kkkk bem por aí. Tweetei uma foto do “segredo” do sucesso hehe

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Kkk Segredo de sucesso das MS revelado: PACTO! Kkkkkk#smdaySP http://pic.twitter.com/qkoObWyZ

Natalí Garcia ‏@natigarcia

De várias formas as pessoas estão contribuindo para a geração de valor para as empresas #crowdsorcing #smdaySPhttp://pic.twitter.com/42ynYNgt

Flavia Vianna ‏@FlaviaVianna

Crowdsourcing não é a fachada do prédio, é a estrutura o cimento e as pessoas precisam ver isso. Mariana Miranda, no #smdaysp

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@josegimenez onde vc ta? Estamos aqui tb! 🙂

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Crowdsorcing como estrategia de negócios: os “loucos” que se deram bem! Marina Miranda #smdaySPhttp://pic.twitter.com/5u8W2HRZ

Aline Moura ‏@SupernovaLi

“Contrate pessoas melhores que você.” -Nelson Rodrigues #smday

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Um bom trabalho nas MS é como agricultura: prepare o terreno, crie o ambiente certo e conquiste bons usuarios-mídia sementinhas 🙂#smdaySP

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@josegimenez vc ta aqui no #smdaySP ?

José Renato Gimenez ‏@josegimenez

“Pagar por um post pago não é boa comunicação. Relacionamento é o melhor investimento.” Social Media Day

Retweetado por Natalí Garcia

Aline Moura ‏@SupernovaLi

“O usuário quer serviço, quer conteúdo relevante.” – Carol Terra#smday #sp

Retweetado por Natalí Garcia

Jéssica Lima ‏@jerblima

A @carolterra fala sobre o usuário-mídia no #SMDay e apresenta o vídeo sobre o novo consumidor http://bit.ly/MxQIGx #SMDaySP

Retweetado por Natalí Garcia

julionunes ‏@julionunes

Fazer com que o pessoal deixe de confundir estratégia com ferramenta. Esse é um bom desafio em social media. #SMDaySP

Retweetado por Natalí Garcia

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Como ganhar relevância nas mídias sociais: Identifique entusiastas; Selecione os meios certos; Acione os “embaixadores” da marca.#smday 🙂

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Mais sobre prosumidores para o pessoal do #smday Entrevista com Toffler http://www.youtube.com/watch?v=ZkNJ0jsNU6E #in

Natalí Garcia ‏@natigarcia

Mto carismático o Davis Smith do http://baby.com.br Inspiração pra quem está começando! #smday Melhor dica: estude mto e tenha paciência!

Natalí Garcia ‏@natigarcia

@carolterra parabéns pela palestra! 😀 #smday

Etiquetado , , , , , ,

Inovação: Google Think Infinite 2012

“Pensar fora da caixa” foi o mote do evento “Think Infinite” promovido pelo Google em São Paulo nesta terça-feira, 27/04. O tema principal foi INOVAÇÃO. As palestras e entrevistas (com diretores do Google e grandes nomes da tecnologia, internet e ciência) foram direcionadas aos parceiros e clientes da empresa no Brasil e buscaram elucidar alguns pontos de uma discussão há muito iniciada: como a tecnologia aliada ao pensamento inovador tem transformado nosso mundo e sociedade.

pensar fora da caixa - think infinite google 2012

Esmiuçando o que já, infelizmente, virou clichê: "Pensar fora da caixa é enxergar além, é acreditar no que poucos acreditam e surpreender a todos com o até então inimaginável"

A agenda foi corrida: 10 grandes profissionais conversaram sobre histórias de sucesso, descobertas, tendências, novos serviços, insights sobre inovação e até mesmo sobre seus métodos de trabalho.

O evento teve abertura de Fábio Coelho, diretor geral do Google, e na sequência, apresentação de:

  • o produtor e diretor de cinema Fernando Schultz,
  • o médico e cientista brasileiro Miguel Nicolelis,
  • o diretor de engenharia do Android, Hugo Barra,
  • o especialista na geração de engajamento social criativo, Russell Stevens,
  • a entusiasta digital queniana Jepchumba,
  • o carnavalesco bi-campeão, Paulo Barros,
  • o diretor de novos projetos do Google, Astro Teller,
  • o empresário e colunista político Ale Youssef
  • e o jornalista e empresário startuper Dougald Hine.
    Confira minibiografia de todos eles.
hugo barra - think infinite google 2012

Hugo Barra, Product Management Director para Android, falando sobre os avanços da tecnologia móvel em vídeo-conferência

No fim-de-semana (quando me sobrará uma frestinha de tempo livre) farei um apanhado dos destaques do evento e publico aqui (foram muitas e densas palestras). Acompanhem! 🙂


Alguns petiscos:

Crie conversas que importam, de relevância. Pense primeiro em IDEIAS, não em mídias. The news rules of social engagetment are: PROVOKE. CONNECT. SHARE. OWN” – Russel Stevens.

Africa: “In a continent with few computers and little electricity a smartphone is not just a phone – it’s a revolution” – Jepchumba

“Inovar é gerar recursos e dinheiro no caixa também, para mais investimentos em tecnologia e negócios.” – Astro Teller

“Inove através da mudança da percepção de um problema. Liberte-se para pensar e criar, quebre regras!” – Astro Teller

“Estão surgindo “novos espaços de aprendizagem”, que irão revolucionar a maneira como entendemos educação. Network disruption improves education and inovation.” – Doug Hine

russel stevens - think infinite google 2012

Russel Stevens, sócio de uma das mais reconhecidas agências de marketing de Nova Iorque - responsável pela campanha de Obama à presidência dos EUA (com muita ênfase no digital) - apresenta o "social flow" da campanha e viral "KONY 2012". Desta palestra eu pretendo fazer uma nota exclusiva (com direito a vídeo)! 😀

BBS: a internet no tempo da discoteca

A despeito das limitações, as BBSs eram um sucesso porque permitiam, entre a década de 80 e começo dos anos 90, a troca de arquivos, a participação em fóruns, o email e a socialização digital – tudo num lugar só. As BBSs são, então, precursoras de muita coisa que hoje é considerado pioneira, como Facebook, BitTorrent, Megaupload, Gmail ou Windows Live Messenger. E tudo isso sem um único ícone, a delirantes 300 bits por segundo (ou menos).

BBS, ou Bulletin Board Systems, eram sistemas baseados em texto para troca de mensagens e programas numa época anterior à internet. O usuário, de sua casa, conectava-se pelo telefone a um computador distante chamado servidor, usando um modem. Nesse servidor rodava um software de gerenciamento que permitia toda a interação entre usuários. Ao contrário da internet hoje, em que com a mesma conexão é possível acessar milhões de sites diferentes, para cada servidor era necessário uma nova conexão, não sendo possível acessar simultaneamente servidores diferentes. Por isso mesmo, cada servidor tendia a ser um mundo em si mesmo, com o maior número possível de serviços.

Parece estúpido, visto hoje. Você saca seu smartphone do bolso e joga Angry Birds no metrô, com jeitão de desenho animado. Depois, abre o navegador e confere as notícias do dia – recheadas de fotos e, quiçá, vídeo – em um integrados com diversas fontes e separado por assunto e preferência. Tudo antes de chegar na estação destino. Qualquer conteúdo que seja público e conectado à internet pode ser acessado pelo seu aparelhinho de mão que cabe no bolso (e que, olhe só, ainda faz ligações telefônicas).

Mas houve um tempo em que essas duas premissas (grande capacidade gráfica; internet onipresente e rápida) não eram verdade. E nem faz tão pouco tempo assim. Os computadores de mesa – mesmo os mais caros, só sabiam exibir texto, ou no máximo gráficos toscos. Um único ícone do novo iPad tem mais resolução (512 x 512) do que a tela gráfica dos primeiros PCs de 1981 (320 x 200, isso quando não eram exclusivamente de texto).

A internet não existia – estamos falando de vinte anos, ou menos. Os modems para comunicação ponto a ponto (entre dois computadores) eram lentíssimos. Mesmo que os gráficos já fossem melhores, levariam uma eternidade para serem transferidos. Portanto, a comunicação entre dois computadores ficava restrita a transferência de texto (email, chat, leitura de notícias) ou download de software (pequeno).

Ted Nelson – um dos pais da internet que conhecemos hoje

Ted Nelson ou Theodor Nelson é um sociólogo e filósofo americano, conhecido por seu pioneirismo em tecnologia da informação e por sua grande contribuição ao surgimento da World Wide Web – a internet.

Xanadu Space

Foi Ted Nelson que cunhou em 1963 (e publicou em 1965) o termo “Hipertexto” – termo que remete ao conceito de um texto que interconecta diversos blocos de texto e outras mídias através de “hiperlinks”, possibilitando uma navegação e leitura não-linear e interativa.

O autor de outros termos conhecidos, como “transclusão”, “transcopyright” e “virtualidade”, dedicou grande parte de sua vida trabalhando em um projeto que buscava explorar as possibilidades do “hipertexto”, este projeto seria um diferente sistema de web, chamado Xanadu. Apesar do projeto ter fracassado, Ted Nelson considera que este era visionário e mais ousado do que a internet que conhecemos e usamos atualmente, que para ele, é “quadrada”e limitada.

Ted Nelson palestrando na PUC-SP

Para Ted o conceito do hipertexto foi empobrecido, e hoje temos uma web ainda pobre e amadora em comparação aos avanços da área de computação gráfica e o 3D, por exemplo. Para ele, sistemas operacionais e o próprio conceito de browser são apenas reproduções de um pensamento “analógico”, uma imitação do relacionamento que temos com a linguagem, comunicação através do papel.

O filósofo esteve no Brasil em 2006, quando palestrou no FILE, na PUC-SP e concedeu entrevista à revista Época. É muito interessante ouvi-lo falar com certo ressentimento e revolta acerca dos rumos que tomou a tecnologia da informação. Suas críticas são duras, mas em muitos casos muito assertivas. É sempre bom inspirar em alguém que foi um visionário da área e ao mesmo tempo ainda é um pensador “fora da caixa”.

Myst – Aventuras místicas em primeira pessoa

Myst foi um jogo lançado em 1993 pela empresa Cyan que fez considerável sucesso ao ser difundido na plataforma Windows (a princípio ele foi lançado para Macintosh). É um jogo bastante diferente dos que conhecemos hoje. Sem abusar da ação (como, por exemplo, cenas de luta, batalhas e corridas de carro/cavalo) ele conquistou por criar um ambiente enigmático, “místico”, cujo enredo se desenrolava a partir da ação do próprio jogador, este com visão em primeira pessoa.

Baseado no formato RPG (Role Playing Game), o jogo se inicia com uma breve introdução da história (um personagem, chamado “Stranger”, lê um livro que descreve uma ilha misteriosa – Myst – e acaba indo parar neste cenário), após isso o jogador pode começar a explorar o ambiente de uma maneira muito simples e intuitiva – apenas clicando em áreas da tela, método conhecido como “Point-and-Click (Apontar e clicar)”.

O jogo fez muito sucesso e teve continuações. Na época seus gráficos eram de qualidade muito superior aos concorrentes, no entanto, seu 3D é fraco para os padrões atuais e jogos do tipo “Point-and-Click” já não fazem tanto sucesso (também por não serem lançados). O principal motivo é que uma vez tendo completado a aventura (e explorado toda a plataforma) o jogador teria pouca motivação para jogá-lo novamente.

A seguir, um vídeo com a introdução do game e um making-of com os seus criadores:

Etiquetado

32 Mitos sobre UX (Experiência do Usuário) – e também sobre usabilidade

uxdesign

Você provavelmente já ouviu muitas “opiniões” sobre a construção de interfaces. Algumas destas opiniões não têm fundamentos que justifiquem adotar certas regras e padrões. O site UX Myths reúne estes mitos e coloca-os abaixo, confira a seguir:

Mito #1: As pessoas lêem na web

As pessoas somente lêem palavra por palavra na web quando elas estão realmente interessadas no conteúdo. Normalmente, elas correm os olhos pelas páginasprocurando por palavras-chave em destaque, títulos interessantes, pequenos parágrafos e listagens. Considerando que estão apressadas para encontrar a informação que procuram, o que não é relevante para elas será ignorado.

Por isso não espere que as pessoas irão ler o conteúdo que não parece fácil de buscar ou relevante, uma vez que blocos grandes de texto, instruções desnecessárias, publicidade e “bla-bla-blas” devem ser evitados na web.

[Mais] 

Mito #2: Todas as páginas devem ser acessíveis em 3 cliques

Testes de usabilidade há muito tempo tem sido desafiados pela chamada regra dos 3 cliques. Ao contrário da crença popular, as pessoas não deixam seu site se não é possível encontrar a informação buscada em 3 cliques. De fato, o número de cliques necessário não afeta a satisfação do usuário, muito menos a taxa de sucesso. É isso! Poucos cliques não deixam os usuários mais felizes e não são necessariamente percebidos como mais rápidos.

O que realmente conta aqui é a facilidade de navegação, o constante “rastro” de informação ao decorrer do caminho percorrido pelo usuário. Se você não faz o usuário pensar sobre os cliques, eles não se importarão em clicar um pouco mais.

[Mais] 

Mito #3: As pessoas não rolam a página (scroll)

Mesmo que as pessoas não usassem o scroll na metade dos anos 90, atualmente é absolutamente natural utilizar a scrollbar dos browsers. Para conteúdos longos, como artigos ou tutoriais, a rolagem permite uma usabilidade muito melhor do que dividir o texto em várias páginas.

Você não tem que espremer tudo no topo da sua página inicial ou sobre a chamada “dobra” (fold), ou seja, o fim da área visível da tela do browser. Para ter certeza que as pessoas irão rolar a página, você precisa seguir alguns princípios de design e prover conteúdo que mantenha o usuário interessado. Também tenha em mente que o conteúdo sobre a “dobra” ainda manterá a maior parte da atenção e também é crucial para os usuários decidirem se sua página é digna de terminar de ser lida ou não.

[Mais] 

Mito #4: Design serve para o site ficar bonitinho

Muitas pessoas consideram o web design como decoração; a arte de fazer o site ficar bonito. No entanto, design é mais sobre como alguma coisa funciona do que como é sua aparência. Design é forma e função. Em contraste com a arte, o bom design não é somente apelo visual e emocional, mas é usável.

O objetivo do design é resolver problemas de forma eficiente. O design é baseado no entendimento de como os usuários vêem o mundo, como eles pensam e se comportam. E a caixa de ferramentas de um designer é mais ampla do que somente cores e fontes, mas também inclui pesquisa de usuários, prototipagem, testes de usabilidade e mais.

[Mais]

Mito #5: Acessibilidade é cara e difícil

Para fazer seu website acessível, você não precisa adicionar nenhuma funcionalidade extra ou duplicar qualquer conteúdo. A chave é simplesmente avaliar os requerimentos daqueles com habilidades diferentes e dispositivos limitados quando estiver desenvolvendo a interface do usuário e seu conteúdo.

Para construir do zero um website que é acessível, os custos são na prática os mesmos que desenvolver um que não é.

Corrigir um site que já é inacessível, no entanto, pode necessitar um esforço extra mas é sempre benéfico a longo prazo, pois sites acessíveis são mais fáceis e baratos para manutenção.

[Mais]

Mito #6: Sites acessíveis são feios

Acessibilidade na web significa fazer seu conteúdo disponível para usuários com diferentes habilidades e dispositivos. O requisito chave para a acessibilidade web é separar o conteúdo (HTML) da aparência visual (CSS) para permitir àqueles que preferem – ou necessitam – usar sua folha de estilo específica para acessar o conteúdo.

Uma vez que a aparência visual de um site é definida pela folha de estilos, a acessibilidade em sim não deve ter nenhum impacto no design visual.

[Mais] 

Mito #7: Gráficos farão os elementos da página mais visíveis

Uma armadilha comum no web design é enfatizar uma parte importante do conteúdo com um gráfico ou apresentação em flash. Essa abordagem, no entanto, o faz frequentemente menos visível.

Quando as pessoas procuram por algo específico num website, eles buscam por textos e links onde eles assumem que a informação poderá ser encontrada. Muito frequentemente as pessoas confundem os elementos das páginas que possuem muitas cores e apelo visual com anúncios e os evitam em geral.

De qualquer forma, não significa que você não pode usar nenhuma ênfase. Contraste funciona muito bem e é essencial para priorizar o conteúdo e, assim, criar um design efetivo.

[Mais] 

Mito #8: Fotos de bancos de imagens melhoram a experiência do usuário

Testes de usabilidade e estudos de eye-tracking mostram que fotos de bancos de imagens e outros elementos gráficos decorativos raramente agregam valor a um website e, mais frequentemente, danificam do que melhoram a experiência do usuário.

Tais imagens não são relacionadas ao tópico do website e não agregam informação útil. Usuários normalmente correm os olhos sobre imagens de bancos de imagens e, eventualmente, se frustram por causa delas.

[Mais] 

Mito #9: O design tem que ser original

Muitos designers preferem reinventar a roda do que adaptar os padrões convencionais de design para interface do usuário. Deve ser considerado, no entanto, que tais convenções funcionam bem porque elas já foram utilizadas e testadas para usabilidade. Uma vez que os usuários as conhecem bem, você não precisa explicar nada ou fornecer um manual de instruções. Como os usuários apreciam mais usabilidade do que inovações, modelos padrão beneficiarão sua audiência.

Pode ocorrer de uma nova abordagem ser necessária, porém você deve estar 100% certo de que sua solução é melhor do que um padrão existente.

[Mais] 

Mito #10: Se seu design é bom, pequenos detalhes não importam

“Os detalhes não são detalhes. Eles fazem o design.” diz Charles Eames. Pequenos detalhes tais como uma mensagem de erro informativa, uma mensagem de segurança em um formulário de cadastro ou a reordenação de produtos em uma página de categoria impactam fortemente a experiência do usuário.

Pequenos detalhes são um longo caminho. E é com isso que a Apple se preocupa: atenção obsessiva com detalhes até nos menores bits.

[Mais] 

Mito # 11: Você precisa redesenhar o seu site periodicamente

Mito # 12: Mais opções e destaques resultam em maior satisfação

Mito # 13: Ícones melhoram a usabilidade

Mito # 14: Vocês são como os seus usuários

Mito # 15: Os usuários fazem as melhores escolhas

Mito # 16: Pesquisa vai resolver os problemas de navegação de um site

Mito # 17: A página inicial é a sua página mais importante

Mito # 18: Flash é o “capeta”

Mito # 19: Você não precisa do conteúdo para criar o design de um site

Mito # 20: Se funciona para a Amazon,  irá funcionar para você

Mito # 21: As pessoas podem te dizer o que elas querem

Mito # 22: Teste de usabilidade é caro

Mito # 23: As escolhas devem ser sempre limitadas a 7 + / -2

Mito # 24: As pessoas sempre usam o seu produto do jeito que você imaginou que fariam

Mito # 25: A estética não é importante se você tem boa usabilidade

Mito # 26: Teste de usabilidade = discussões em grupo

Mito # 27: UX Design é apenas outro nome para usabilidade

Mito # 28: O espaço em branco é espaço desperdiçado

Mito # 29: As pessoas são racionais

Mito # 30: Se você é um perito, você não precisa testar seu projeto

Mito # 31: UX design é uma etapa em um projeto

Mito # 32: O sucesso acontece “da noite para o dia”

Para ler as descrições mais aprofundadas dos mitos 11 a 32 acesse a página do UX Myths (em inglês). Recomendo muito!

Etiquetado , , , ,

Faça download dos trabalhos de Mídias Sociais aprovados no SIMSOCIAL 2011 da UFBA

Nos dias 13 e 14 de outubro de 2011, em Salvador, aconteceu o SIMSOCIAL – Simpósio de Pesquisa em Tecnologias Digitais e Sociabilidade: Mídias Sociais, Saberes e Representações, um evento de cunho acadêmico destinado a promover debates e circulação da pesquisa produzida sobre as tecnologias digitais e sociabilidade no Brasil.  Idealizado pelo GITS – Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade, que compõe o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA.

Segue abaixo links para download dos trabalhos aprovados, divididos pelos temas:

Mídias Sociais: Interações e Práticas de Sociabilidade

– O Jogo em Redes Sociais no Ciberespaço como Novo Campo de Experiência Lúdica: Uma Análise a partir do Interacionismo Simbólico Breno Maciel Souza Reis (PUC/RS) [download]

– Fã-mília #happyrock: “Recomeço” em Cores Camila Monteiro (Unisinos/RS) [download]

– Amizades mediadas por blogs: análise qualitativa das interações no gênero pessoal auto-reflexivo Erika Oikawa (UFRGS) [download]

– Sociabilidade Transcendental no Ciberespaço: A Vida Online após a Morte Everaldo Nunes Santos Netto; Geiza Santos de Jesus (UESC) [download]

– Weblogs como Ferramentas de Sociabilidade: A Experiência do Weblog Juventude Clichê na Construção Coletiva de Conteúdo Fábio Carvalho dos Santos; Julianna Nascimento Torezani (UESC) [download]

– Companhias de Outro Mundo: Um Breve Olhar sobre a Sociabilidade em RPGs OnlineFelippe Calazans Thomaz  (UESC) [download]

– Flickr: Rizoma e Heterotopia na Rede Jane Maciel (UFRJ) [download]

– Memória Compartilhada: Do Cibermuseu às Mídias Locativas José Cláudio Alves de Oliveira (UFBA) [download]

– Relações Fetichistas entre o Ciberespaço e o Mundo Offline Julio Cesar Lemes de Castro (USP) [download]

– Interatividade e Participação Em Contexto De Convergência Midiática Maria Clara Aquino  (UFRGS/RS) [download]

– A Posse do Celular e o Self Estendido: Um Estudo Longitudinal baseado em Atitudes da Baixa Renda de São Paulo, Brasil Maria de Lourdes Bacha e Angela Schaun (CCL-UPM) [download]

– Twitter e Cibercultura: Estudos sobre os usos da Ferramenta de Comunicação Maurílio Luiz Hoffmann da Silva (UFT) [download]

– Interações em Rituais Online Católicos: Uma Análise da Prática Religiosa em Tempos de Internet Moisés Sbardelotto (Unisinos/RS) [download]

– Entre o Ser e o Estar: A representação do Eu e do Lugar no Foursquare Paulo Victor Sousa; Rodrigo do Espírito Santo da Cunha (UFBA) [download]

– Entre o Virtual e o Real: o Sujeito no Ciberespaço Polyana Amorim (UFMA) [download]

– “O Irmão Zela por Ti”: Redes Sociais, Vigilância e Processos de Subjetivação Vanuza Monteiro Campos Postigo (UFRJ) [download]

Mídias Sociais: Consumo e Estratégias de Mercado

– A Mensagem Institucional nas Redes Sociais e a Estratégia de Conquista do Público por Meio do Conteúdo: Estudo de Caso da Concessionária de Rodovias Tebe S/A Angelo Sastre (Instituto Educae/Fapi) [download]

– O Postal Publicitário como Mídia Locativa Breno da Silva Carvalho (UFBA) [download]

– Redes Sociais e Sistema de Informação no Meio Rural Hélio Augusto de Magalhães (EMBRAPA) [download]

– Compras Coletivas: Uma Análise Exploratória de sua Utilidade para as Empresas Anunciantes João Renato de Souza Coelho Benazzi (PUC/RJ); Bruno Yagelovic Pedra (PUC/RJ) [download]

– Jogos de Realidade Alternativa: Modos para relacionar espaço, consumo e transmidiaLuiz Adolfo de Andrade (UFBA) [download]

– Mobilidade e Sociabilidade na Cidade Contemporânea Marcello Chamusca;  Márcia Carvalhal (Faculdade Batista Brasileira) [download]

– O Facebook como Foco de Oportunidades de Branded Experience Rhaissa Vitor; Adilson Cabral (UFF) [download]

– Redes Sociais e Circulação Musical Tatiana Rodrigues Lima (FSBA) [download]

Política e Ativismo nas Mídias Sociais

– Nas Redes, nas Telas, nas Ruas Carolina Abreu Albuquerque (UFMG) [download]

– Redes Sociais e Política: Twitters dos Vereadores de João Pessoa/PB David Henrique de Moura Viana; Bernardina Maria Juvenal Freire de Oliveira (UFPB) [download]

– Consciência do Discurso: Reflexões Acerca do Imaginário de Povos Indígenas em Relação às Tecnologias Contemporâneas e ao Ciberativismo Edson Dalmonte (UFBA) [download]

– Reflexões sobre o Alcance do Agir Comunicativo da Sociedade Civil em Redes Sociais: O Ciberativismo em Questão Fred Izumi Utsunomiya; Mariza de Fátima Reis (Mackenzie/SP) [download]

 Comunicação e Lugar: Redes Sociais, Blogs e Mobilizações nos Mapas Colaborativos da Internet Leonardo Lima (UFBA) [download]

– Mídias Sociais e Espaços de Participação Maria Célia Furtado Rocha; Gilberto Corso Pereira (UFBA) [download]

– Agendamento e Twitter: Um Estudo Exploratório Nina Santos (UFBA) [download]

– Potencialidades e Limites das Tecnologias na Promoção dos Direitos Humanos de  Crianças e Adolescentes Rodrigo Nejm (UFBA) [download]

Educação e Mídias Sociais

– As Mídias Sociais e a Globalização do Bullying Andréa Cardoso; Ana Paula Rocha do Bomfim (UFPI) [download]

– Twitter e Blog como Espaços Alternativos de Leitura Bruna B. Lessa dos Santos; Nídia M. L. Lubisco (UFBA) [download]

– Objetos de Aprendizagem em Bem Estar Animal: A.W.E.S.O.M.E. Iniciative Carolina Calomeno (Positivo), Péricles Gomes (Positivo),  Gabrielle Grimm (UFTPR) [download]

– Blog: Ferramenta Aliada da Educação no Processo de Ensino-Aprendizagem Compartilhada ou Colaborativa Caroline Pereira das Neves (IAT/SEC); Társio Roberto Macedo (Faculdade Batista Brasileira) [download]

 Perspectivas de Aprendizagem no Uso Games nas Redes Sociais e ComputadoresEunice Ribeiro dos Santos (UFBA) [download]

– Câmera, Cidadania, Educomunicação: (Res)Semantização de Usos das Tecnologias entre Jovens de Escola Pública a Partir de Oficinas de TV Helen Campos Barbosa; Derval Gramacho (Faculdade 2 de Julho) [download]

– Possibilidades da Recepção Ativa na Internet: Sobre Redes e o Povo Indígena Aikewára Hellen Maria Alonso Monarcha; Ivânia Neves dos Santos (UNAMA) [download]

– Movimento Social Software Livre pela Inclusão Digital e Educação Popular Reinaldo Matias Fleuri; Viviane Lima Ferreira (UFSC) [download]

Mídias Sociais, práticas Colaborativas e Jornalismo

 A Hipótese do Agenda-Setting e a Teoria do Newsmaking no Blog do Noblat Allysson Viana Martins (UFBA) [download]

– Mídias Táticas e Outras Práticas Colaborativas em Jornalismo J. Péricles Diniz  (UFRB) [download]

– Da Interação a um Ambiente de Socialização: Caminhos do Jornalismo na Web Samuel Anderson Rocha Barros; Júnia Cristina Ortiz Matos (UFBA) [download]

– A Inserção do Twitter nas Rotinas Produtivas do Programa ’70 Minutos da Emissora Meio Norte Tamires Coêlho; Ana Paula Rocha do Bomfim (UFPI) [download]

 

Etiquetado , , , , , , , ,

Propaganda que vale a pena espalhar | TED Ads Worth Spreading

O TED, pelo 2º ano consecutivo, lança o desafio de destacar e premiar as “10 Propagandas mais fascinantes e inspiradoras”, aquelas que – como diz o enunciado – valem a pena espalhar.

Desde segunda, dia 03/10, foi aberto o convite para que agências, empresas e pessoas inscrevam obras publicitárias que expressem uma “ideia inteligente e inspiradora”, que tenha um alto índice viral (ou seja, que os espectadores sintam vontade compartilhá-la com seus amigos).

Novos meios de fazer publicidade

A publicidade enfrenta mais um momento crítico em sua trajetória. Com as mudanças dos canais de mídia e comportamento dos consumidores faz-se necessário reformular a maneira utilizada por uma marca para “vender” uma ideia.

Da propaganda tradicional e interruptiva (que se coloca à frente da vontade do receptor) à mídia espontânea, a publicidade cada vez mais precisará trilhar o caminho inevitável do serviço ao consumidor, oferecendo conteúdo relevante que, realmente, valha a pena ver e indicar.

As vencedoras do 1º Ads Worth Spreading TED

Em março de 2011, o TED publicou as 10 progagandas premiadas em sua 1ª competição. Destaco 3 belíssimas realizações, que conseguiram encantar o público, utilizando recursos diversos com objetivos também diversos. Vale a pena assistir!

Fundação sem fins-lucrativos aborda o tema delicado e doloroso da progressão da AIDS

Animação da Nike sobre 2 caminhos alternativos para uma garota de 12 anos

Intel apresenta seu novo processador: mais comercial, porém ainda cativante

Assista todas as propagandas premiadas no TED Ads Worth Spreading

O que é o TED?

TED (Tecnologia , Entretenimento e Design) é um evento mundial de conferências realizadas para difundir “ideias que valem a pena espalhar”. Foi fundado em 1984 pela Fundação Sapling (sem fins lucrativos) e atualmente também aborda, em suas ótimas apresentações, questões sobre cultura e ciência.

Assista outras palestras TED já indicadas por mim 🙂

Etiquetado , , , , , ,